Ariel Pires de Almeida

Energia racional ou a reconstrução do Conceito (II)

In Uncategorized on 26/08/2009 at 12:33

pineal

Prosseguindo…

A burguesia em ascenção, ao longo do XIX, reformulou intimamente a estruturação social. Surge em cenário, pela primeira vez, a categorização etária. O jovem, o velho, o adulto e, especialmente, a criança. A invenção da infância é concomitante à invenção das nações, à invenção das Constituições, instituições e marketings…

O que define cada qual?

Se a vida se coloca em sua relação com outras vidas, conceituar cada categoria etária se faria a partir de sua relação com seus semelhantes e superiores e inferiores. O que merece ressalte é a primeira constatação de que é uma categorização HIERÁRQUICA como qualquer outra.

O ser humano infantilizado tem a principal característica de ser sincero com os outros, porém nunca consigo mesmo. Obedece.

O adultivado é o oposto dialético, é sincero apenas consigo mesmo. O adulto resiste e luta – pela sobrevivência sua e de sua prole, claro…

E qual a característica capital do capitalismo que criou tal voluntoriosamente essa distinção  jamais pensada? Oito mil anos de História e só agora o homem se evoluiu a ponto de reconhecer uma criança de um adulto! A reconhecer os males no incorrimento em pedofilia. Será que os padres do passado se viam crucificados por vulgarizarem a inocência? E Michael, o saudoso?

A verdade é que o homem infantilizado é o público primeiro dessa burguesia desenfreada. É a criança que confia, que tenta e que quer que move o espectro da demanda do circuito mercadológico.

A oferta é dada pelo adulto. Todavia, se dependesse apenas das funções fixas do par adulto/criança, ambos, no fundo, unidos pela vontade de satisfação sóbria, alegre, moral, confortável e, principalmente, estável; não responderíamos satisfatoriamente à característica prima do Capital: A REVOLUÇÃO PERMANENTE. A transformação continuada. O sincretismo herdado de jesuítas católicos transposto em mentes reativas, puritanas, trabalhadoras.

Nem o adulto tampouco a criança tem as características para capacitarem-se como revolucionárias. Daí chegamos: será que essa invenção dialética na verdade não seria pares de um dos lados do composto opositivo? Isso é, será que não existem criança e adulto para que urja seu oposto dialético, o jovem?

Quem é o jovem?

É sincero com quem? Está mais próximo de qual?

Não acho que importa. O jovem é uma figura essencialmente contraditória. Mas existe algo que não se formula na infância e se perde quase plenamente na adulteza.

É o amor – que piegas…

Pra frente continuaremos….

Não esperava que tal digressão poderia se delongar por tanto…

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: